Buscar
  • Nonato Brito

Morre o escritor vimarense Jomar Moraes, ex-presidente da Academia Maranhense de Letras


Na foto, a última vez em que o vimarense Jomar Moraes esteve em Guimarães, discursando na reinauguração do Fórum de Justiça no ano de 1992. (Foto: Arquivo da Folha de Guimarães)

Faleceu na manhã deste domingo (14), em São Luís, aos 76 anos, o pesquisador, ensaísta, cronista, crítico e historiador da literatura maranhense, Jomar da Silva Moraes. Segundo primeiras informações, o escritor sofria com problemas renais e, durante a madrugada, uma crise afetou o coração do escritor, que não resistiu. Ele estava internado em um hospital privado da capital.

O corpo está sendo velado na Academia Maranhense de Letras (AML). O enterro ocorrerá nesta segunda (15), às 9h, no cemitério Jardim da Paz, na Estrada de Ribamar, região metropolitana de São Luís. Jomar Moraes também era membro da Academia Maranhense de Letras, instituição que presidiu por 22 anos em 11 mandatos consecutivos, se tornando o presidente que por mais tempo presidiu a Casa no Maranhão. O escritor ocupava a cadeira de número 10.

Sua história se mistura à própria história da literatura e cultura maranhenses. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, o escritor ainda se tornou especialista em Comunicação Social pela mesma universidade e carrega o título de Mestre em História também pela UFMA.

O Governo do Estado emitiu nota de pesar. No comunicado oficial, o Governo disse que se solidariza com os familiares de Jomar Moraes e reconheceu a importância do escritor no cenário cultural maranhense. Leia a nota na íntegra.

NOTA

O Governo do Maranhão lamenta o falecimento do escritor, pesquisador e professor Jomar Moraes. Natural do município de Guimarães, Jomar tinha 76 anos e estava internado no Hospital São Domingos, com problemas de pressão, desde o último sábado (13).

Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (Ufma), Jomar Moraes atuava ainda como ensaísta, cronista, crítico e historiador. Começou a carreira profissional como soldado da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) e chegou a ser diretor da Biblioteca Pública Benedito Leite e secretário de Estado da Cultura do Maranhão.

O velório será realizado na Academia Maranhense de Letras (AML), onde ocupava a cadeira de número 10. Neste momento de dor, o Governo do Maranhão se solidariza com os familiares, amigos e admiradores de Jomar Moraes. Legado

O presidente da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar disse que recebeu a notícia da morte de Jomar Moraes com muita dor e tristeza. Emocionado, ele comentou que, embora tenha partido, o escritor deixou um legado inestimável que já está escrito na história da cultura maranhense. “Ele é um grande profissional e, com certeza, já faz parte da história do Maranhão. Seu nome já está escrito na história e seu legado é imenso. Quando ele apareceu, foi com muita luminosidade. Ele é um iluminado e trabalhou incessantemente no intuito de resgatar a cultura do estado. Ele não só batalhou em função da Academia Maranhense de Letras, ele fez tudo isso em função do estado do Maranhão”, declarou.

Obras

Natural de Guimarães, Jomar Moraes nasceu no dia 6 de maio de 1940. O escritor foi de grande importância, principalmente para manter viva a literatura e ajudar a contar a história do estado. Ele ajudou a enriquecer a cultura maranhense com seus livros Guia de São Luís, O Físico e o Sítio, Graça Aranha, Vida e Obra de Antônio Lobo, entre outros títulos que denotam a paixão de Jomar Moraes por São Luís.

Em Guimarães

Placa que registra a presença do vimarense Jomar Moraes na inauguração do prédio do Fórum Desembargador Juvenil Amorim Ewerton, na Praça dos Sagrados Corações, em 1992

A última vez em que Jomar Moraes esteve em Guimarães foi no ano de 1992, a convite do então prefeito Antônio Agenor Gomes, para participar da inauguração do Fórum de Justiça, na Praça dos Sagrados Corações. A placa comemorativa ainda hoje existente no prédio registra a presença do vimarense ilustre na cidade. (Fonte: g1.globo.com/ma)


0 visualização