Buscar
  • Nonato Brito

60 anos: Goleiro da Seleção de Futebol de 1990 faz homenagem a atletas vimarenses da Seleção de 1956


Klaus Kennedy Macedo com a esposa e o filho

Klaus Kennedy Macedo, goleiro da Seleção de Futebol de Guimarães de 1990, faz homenagem a atletas da Seleção de Futebol de 1956, quando Guimarães sagrou-se campeão pela primeira vez no Torneio Intermunicipal, promovido pela então Federação Maranhense de Desportos. Filho mais velho de Laudelino Macedo e Josenildes Moreira Macedo, Klaus foi o mais jovem goleiro da Seleção de Futebol Vimarense, com 17 anos na disputa do Intermunicipal de 1990. Em 1990, fazia 25 anos que a Seleção de Guimarães não jogava nos campos da Capital, contando a Seleção Vimarense, nesse ano, com o empenho do presidente da Liga Vimarense de Desportos Buitu Jansen, o apoio do então prefeito Antônio Agenor Gomes e de sua grande torcida de Guimarães e dos vimarenses residentes em São Luís. Klaus ainda jogou pelo Corinthians Vimarense e pelo Palmeiras Futebol Clube de Guimarães. Em São Luís jogou pelo Tirirical Futebol Clube, Sociedade Esportiva Oito de Dezembro, da Vila Palmeira, pelo Ferroviário e pelo Moto Clube. A seguir, a crônica de Klaus Kenedy Macedo:

60 ANOS DA PRIMEIRA CONQUISTA DO FUTEBOL DE GUIMARÃES

Por Klaus Kennedy

Seleção Vimarense de Futebol, campeã do Torneio Intermunicipal de 1956 (Foto: publicada no livro Guimarães na História do Maranhão, Paulo Oliveira, Sioge, 1984)

Em 1956, Guimarães conquistou o maior título do futebol amador do Maranhão. Com uma seleção de grande talento, formada por jovens atletas desta terra duas vezes secular. Era a primeira vez que participava, e aquele era apenas o 6° Torneio Intermunicipal, competição esta que reúne as melhores seleções de futebol do interior maranhense. Este Intermunicipal foi disputado na capital, São Luís, no sistema de mata-mata. Os jogos foram realizados no recém- inaugurado Estádio Santa Isabel, o primeiro da cidade, erguido onde hoje está localizado o prédio do Ministério da Fazenda, no canto da Fabril.

O futebol engatinhava em Guimarães, recentemente organizado por Felinto Goulart de Araújo, ex-prefeito que não chegou a terminar seu mandato, pois enfartou.

Aquele selecionado contava com jogadores da sede e dos distritos de Guimarães, como Mirinzal e Cedral, os quais emanciparam-se na década de 60, após acirrada disputa política no município (ver 2ª edição da CRONOLOGIA DA HISTÓRIA DE GUIMARÃES, de Paulo Oliveira).

Ainda desconhecida no cenário futebolístico maranhense, a cidade de Guimarães orgulhava-se de ter uma filha ilustre chamada Simei Büllio, eleita Miss Maranhão em 1955, que representou o estado no concurso de Miss Brasil.

O nome da cidade já estava cravado na história das artes e da política a nível nacional e internacional, através de personagens imortais, como Sousândrade e Urbano Santos. Porém, no esporte nossa representatividade não alcançava a mesma notoriedade... até aquele tempo.

Com uma campanha memorável, Guimarães destroçou seus adversários, surpreendendo a todos com seu belo futebol: sem dó nem piedade meteu 3x0 em Viana, na primeira eliminatória; 3x2 em São Bento, na segunda eliminatória; 0x0 contra Bacabal (3x2 nos pênaltis), na semifinal; e 4x2 em Icatu, na final. Marcou 10 gols e sofreu apenas 4. Soube jogar uma competição de “tiro curto”, onde o perdedor dava adeus ao campeonato, jogando pra frente, buscando estar em vantagem no placar desde o início. Surgia então o belo futebol de Guimarães vindo direto da Baixada para encantar todo o Maranhão!

Entretanto, há uma controvérsia com relação ao adversário da final que alguns dizem que teria sido Bacabal, mas pesquisas recentes apontam que teria sido Icatu, inclusive, há uma tabela completa com todos os jogos na internet (ver cacellain.com.br/blog/?p=720024).

DESTAQUES :

Camundá era o goleiraço desse time e, segundo informações, hoje vive em Mirinzal;

Nonô era o zagueiro de chute forte, e fundou o América Futebol Clube, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais e foi seu primeiro presidente. Ainda foi Vereador. Faleceu em 1984;

Celso Coutinho era o capitão e jogava no meio de campo, posteriormente elegeu-se prefeito do município e Deputado Estadual. Hoje é tabelião aposentado em São Luís;

Mário Veloso era o mortal atacante do esquadrão, funcionário público dos Correios, chamados às pressas para jogar a final, pois não tinha sido liberado por seu chefe. Um avião tipo teco-teco foi à Guimarães buscá-lo. “Chama o homem!”, e ele resolveu! Hoje reside em São Luís;

Pedro Marujo era o terror das defesas adversárias, uma personalidade vimarense homenageado e reverenciado até hoje. Foi Vereador e funcionário público federal da antiga Superintendência de Desenvolvimento da Pesca - SUDEPE, hoje IBAMA. Em 1997, seu filho Jackson repetiu o seu feito, tornando-se também campeão do Torneio Intermunicipal. Hoje está sob os cuidados da família após sofrer um AVC.

Esta é uma pequena homenagem a esses verdadeiros heróis do passado que quase conseguiram repetir o feito no ano seguinte (1957), ficando com o vice, mas saindo como o “campeão moral” da competição.

Em agosto de 2016 este título inédito e inesquecível completa 60 anos!

Então, parabéns a quem fez história!


0 visualização