Buscar
  • Nonato Brito

Corpo da vimaranense Elisângela Cardoso será sepultado hoje às 9 horas no Cemitério Jardim da Paz,


Elisângela Cardoso era natural de Guimarães, interior do Maranhão, nasceu em 12 de setembro de 1972. Tinha 46 anos. Filha de Domingas Araújo e Arnaldo Correia Cardoso (já falecido).

Formada em Pedagogia e pós-graduanda em Educação Integral pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Assumiu a Secretaria Adjunta da Criança e do Adolescente da Secretaria dos Direitos Humanos e Participação Popular, em 2019.

Foi presidente da Fundação da Criança e do Adolescente, na gestão do governo Flávio Dino (2015 a abril de 2019)

Foi presidente do Fórum de Entidades Gestoras do Sistema Socioeducativo (Fonacriad), nas gestões de 2015 a 2017 e 2017 até abril de 2019.

Foi Coordenadora das Medidas Socioeducativas e Superintendente de Proteção Social Especial, de alta complexidade da Semcas, no período de 2013 a 2014.

Ocupou também a presidência da Funac, no período de 2007 a abril de 2009, na gestão do governador Jackson Lago.

Diretora da UEB José Cupertino, pela Secretaria Municipal de Educação de São Luís, de 2005 a 2007, sendo inclusive como servidora efetiva.

Foi presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Luís (CMDCA), por duas gestões consecutivas, e do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA). E também, vice-presidente do Cedca na última gestão.

Atuou na articulação da implantação da Rede Amiga da Criança de São Luís e na implantação da Rede Maranhense de Justiça Juvenil (Remaju), que possui foco no atendimento socioeducativo e na justiça restaurativa.

Além disso, coordenou o Centro de Promoção da Vida de Crianças e Adolescentes da Área Itaqui-Bacanga – CEPROVI/Pastoral do Menor. Atuou na articulação da Romaria dos Trabalhadores.

Sócia e colaboradora do Centro de Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes Padre Marcos Passerini.

Tem militância nos movimentos sociais ligados à defesa dos direitos da criança e do adolescente há mais de 20 anos. E nos movimentos de mulheres negras, dentre eles o Mãe Andresa.


0 visualização