• Nonato Brito

Proclamação da República: "O povo assistiu àquilo bestializado"


Tropas do Exército no dia 15 de novembro de 1889, tendo à frente o marechal Deodoro da Fonseca no Campo de Santana, no Rio de Janeiro

O dia 15 de novembro marca a passagem dos 126 anos da proclamação da República. "O povo assistiu bestizalizado a proclamação da República". A afirmação é de Aristides Lobo, jornalista, político e um dos maiores ativistas em favor da proclamação da República.


"O povo assistiu àquilo bestializado", artigo de Aristides Lobo. Rio, 1889 O artigo de Aristides Lobo, publicado em forma de carta no “Diário Popular”, descreve como o povo do Rio de Janeiro assistiu à proclamação da República pelo marechal Deodoro - bestializado, como se presenciasse uma parada militar. O artigo foi escrito na própria tarde de 15 de novembro de 1889 e veio à luz na edição do dia 18. Em tempo: Aristides Lobo era republicano.


Cartas do Rio(*) ACONTECIMENTO ÚNICO Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1889.

Eu quisera poder dar a esta data a denominação seguinte: 15 de Novembro, primeiro ano de República; mas não posso infelizmente fazê-lo. O que se fez é um degrau, talvez nem tanto, para o advento da grande era.


Em todo o caso, o que está feito, pode ser muito, se os homens que vão tomar a responsabilidade do poder tiverem juízo, patriotismo e sincero amor à liberdade.

Como trabalho de saneamento, a obra é edificante. Por ora, a cor do Governo é puramente militar, e deverá ser assim. O fato foi deles, deles só, porque a colaboração do elemento civil foi quase nula.


O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava.

Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada.

Era um fenômeno digno de ver-se.

O entusiasmo veio depois, veio mesmo lentamente, quebrando o enleio dos espíritos.


Pude ver a sangue-frio tudo aquilo.


Mas voltemos ao fato da ação ou do papel governamental. Estamos em presença de um esboço, rude, incompleto, completamente amorfo.


Bom, não posso ir além; estou fatigadíssimo, e só lhe posso dizer estas quatro palavras, que já são históricas.


Acaba de me dizer o Glycerio que esta carta foi escrita, na palestra com ele e com outro correligionário, o Benjamim de Vallonga.


E no meio desse verdadeiro turbilhão que me arrebata, há uma dor que punge e exige o seu lugar - a necessidade de deixar temporariamente, eu o espero, o Diário Popular.


Mas o que fazer? O Diário que me perdoe; não fui eu; foram os acontecimentos violentos que nos separaram de momento.

Adeus. Aristides Lobo

(*) Cartas do Rio era o título da coluna que o jornalista mantinha no Diário Popular. historia-novembro

(Fonte: História Sincera da República, de 1889 a 1930, Leôncio Basbaum, São Paulo, Fulgor, 1968)

Destaque
Tags