• Blog Vimarense

Guimarães inaugura monumento a Maria Firmina dos Reis



Por ocasião do 103º aniversário de falecimento da escritora Maria Firmina dos Reis, na data de hoje (11) o município de Guimarães prestou homenagem à professora com a inauguração de um monumento com a sua estátua na principal praça da cidade. A estátua, de 1,60m em um pedestal de 2 metros de altura, fica a poucos metros da casa onde residiu e lecionou a professora, na Praça Luís Domingues. A solenidade foi presidida pelo secretário de Cultura e Turismo do município Antônio Marcos, representando o prefeito municipal Osvaldo Luís Gomes, impossibilitado de comparecer à inauguração em razão da legislação eleitoral que não permite a presença de candidatos em inaugurações durante o período eleitoral. Iniciada às 9 horas, o ato contou com a presença de professores da rede estadual e municipal, membros do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães e pessoas da comunidade. Discursaram o secretário de Cultura Antônio Marcos e a professora Dilercy Adler, da Academia Ludovicense de Letras. A placa, no monumento, anuncia: "À Maria Firmina dos Reis, professora, abolicionista, fundadora da primeira escola mista do Maranhão e primeira romancista brasileira. Homenagem do povo de Guimarães. 11 de novembro de 2020" A placa foi descerrada por quatro professores: José Benedito Martins, Maria Raimunda Jansen, Maria de Nazaré Pereira (Marisete) e Iranilson Maia Silva. Ainda declamaram poemas de Maria Firmina as professoras Cláudia Abrantes, Maria do Carmo da Silveira (Duzinha) e Ângela Anchieta, do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães. Giuliana Campos declamou poemas de Maria Firmina. A poetisas Regiane e Ananda Campos declamaram poemas que compuseram especialmente para a homenageada. Maria Firmina dos Reis nasceu em São Luís, em 1822. Aprovada em concurso público de professora primária, transferiu-se para Guimarães em 1847. Em Guimarães, escreveu toda a sua obra literária: o romance Úrsula, o livro de poemas Cantos à beira-mar e os contos Gupeva e A escrava. Fundou a primeira escola mista do Maranhão, no distrito de Maçaricó. Esquecida a sua obra literária por mais de 100 anos, em 1973 o escritor Nascimento Morais Filho desembarcou em Guimarães para pesquisar a vida da professora, resultando na publicação do seu livro Maria Firmina - fragmentos de uma vida, obra rara de se encontrar na atualidade. O Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães, localizado na Praça Luís Domingues, leva o nome de Casa de Maria Firmina dos Reis. A cadeira nº 1, do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães tem como patrona Maria Firmina dos Reis e é ocupada pelo professor de História do Centro de Ensino Nossa Senhora da Assunção, Osvaldo Gomes, atualmente exercendo o mandato de prefeito municipal. A casa onde residiu e lecionou Maria Firmina, na Praça Luís Domingues, atualmente dividida em dois imóveis, pertence ao casal Marinildes e Dico Machado e ao Armazém Paraíba. o município homenageia a professora, ainda, com uma rua com o seu nome na sede e uma escola no distrito de Maçaricó. O monumento inaugurado hoje na Praça Luís Domingues é trabalho do escultor Sereno, o mesmo que esculpiu a estátua de São José, no Guarapiranga. O prefeito Osvaldo Gomes declarou que "ao construir este monumento na principal praça da cidade, Guimarães faz uma merecida homenagem a professora negra que viveu e trabalhou em Guimarães e que se tornou a primeira romancista brasileira". Após, a solenidade foi servido um lanche na Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, na Rua Dias Vieira. O Blog Vimarense fez a cobertura do evento com o seu editor Nonato Brito.


Na placa: a homenagem do povo de Guimarães: "A Maria Firmina dos Reis, professora, abolicionista, fundadora da primeira escola mista do Maranhão e primeira romancista brasileira. Homenagem do povo de Guimarães. 11 de novembro de 2020."

O abraço simbólico em Maria Firmina dos Reis

Destaque
Tags